Carta aberta aos desenvolvedores de jogos

by Guest 0 Comments
Carta aberta aos desenvolvedores de jogos

Os tempos estão mudados e disso todos já sabemos, não é difícil perceber que as pessoas estão problematizando erros que antes eram vistos como algo corriqueiro.

No mundo dos jogos não é diferente, temos hoje mais e mais desenvolvedores olhando para seus jogos e vendo além de bugs, procurando erros que afetam a sociedade a sua volta ou implicam em algum retrocesso.

Temos variados exemplos disso no mercado de triplo A, mas estou em essencialmente querendo falar da industria indie principalmente por ter uma linha de produção de novos jogos bem maior.

Hoje em dia podemos falar que temos pelo menos 6 a 10 jogos indies sendo lançados por mês na industria de jogos, o que dá a eles maior poder para mudar a nossa cultura. A cultura do Gamer foi criando seu espaço de acordo com os anos e hoje em dia é uma das mais fortes, todo mundo já jogou algum jogo na vida.

Então temos nossa cultura sendo representada na vida de varias pessoas, mas isso é realmente bom? Essa duvida me fez pensar em oque os jogos vem dizendo. Mesmo sendo uma industria independente que remete a ter um pensamento fora da caixa, que possa ir contra o mercado e o que ele diz que devemos fazer.

A verdade é que nossa cultura é uma das mais machistas e sexistas mesmo sendo tão nova e nos desenvolvedores não fazemos nada a respeito e pior não queremos ser culpados pela situação atual. Somos culpados também, quando criamos jogos que tenham algum preconceito, somos a soma de toda uma indústria do entretenimento e de informação machista/misógina /racista.

Temos que problematizar nossos jogos, mas por mais incrível que pareça não estou aqui por isso.

Já participei de mais de 16 game jams e em todas eu vi as seguintes regras:

  • Seu jogo não pode ter nenhum racismo homofobia ou sexismo
  • Seu jogo não pode ter nenhum preconceito religioso
  • Seja legal, não incite violência.

E isso me fez pensar que já estamos sendo incentivados a fazermos nossos jogos com mais respeito as minorias, e existem VÁRIOS jogos que nasceram dessas jams e foram comercializados e mostraram que NENHUM jogo precisa ser sexista ou machista pra vender. Por ver isso achei que não precisaria comentar ou incentivar nada, pois naturalmente isso já vai fazer efeito na nossa cultura de desenvolvimento.

Mas apesar disso eu vi um problema. Não incentivamos REPRESENTATIVIDADE! Do que adianta seu jogo não ser racista mas também não ter nenhum negro? Não ser machista, mas não ter mulheres? Esse é um dos nossos maiores problemas, “representatividade” poucos jogos se importaram com isso e trabalharam bem com isso.

Temos que mudar isso, temos que perceber que a mão de obra dessa industria é de maioria homens brancos e heterossexuais, pessoas com privilégios que negros/mulheres/homossexuais não conhecem e nunca irão se não trabalharmos nisso.

A primeira coisa que se passa na sua cabeça é se você tem mesmo que entrar nessa, se tem mesmo que fazer isso… Ai eu te pergunto? Seu jogo tem um personagem forte ou importante que faça diferença no jogo? Qual o problema dele ser negro? Ou mulher? Que tal homossexual?

Se você pensar, não tem diferença nenhuma pro seu jogo, mas pra nossa cultura e pra sociedade tem MUITA.

Deixe uma resposta